Lisboa | Portugal

façaumdonativo

Header Historias Reais

Gravida Duvidas

História da Teresa

Quando a Teresa percebeu que estava grávida de novo, nem queria acreditar! A primeira filha tinha feito um ano há tão pouco tempo!

Quando os pais souberam que ela estava grávida da Isabelinha, reagiram bem. Mas, desta vez, acolheram muito mal a notícia. Queriam que a Teresa fizesse um aborto. Agora até já era legal! Bastava ir a um hospital... Achavam que ela não tinha competências maternas, emocionais ou financeiras para ter mais um filho.

A Teresa, pressionada pelos pais, sentia-se muito só. Embora percebesse que toda a situação lhe era desfavorável, queria ter este filho. O pai das crianças também a deixou sozinha com o problema. Também ele lhe dizia que, agora, já não havia problema nenhum em abortar, porque já era legal. Mas, se não o fizesse, que se arranjasse; o problema era dela. Viu-se, assim, sem ninguém, a braços com esta situação tão difícil.

Tentou convencer os pais a aceitarem esta gravidez, mas eles estavam irredutíveis. Diziam-lhe que ela negligenciava a filha, que precisava de ser tratada por um psiquiatra e que levava uma vida completamente desregrada. Tudo isto, a Teresa sabia ser verdade. Mas, ainda assim, queria ter este filho.

Os pais viviam, sem dificuldades, numa zona nobre de Cascais:  podiam muito bem ajudá-la a ter este bebé,pensava a Teresa. No entanto, fizeram-lhe um ultimato: ou ela abortava ou ia para a rua. Sentiu isto como uma grande injustiça; habituada a viver sem regras e sem limites, pesava-lhe enormemente esta chantagem emocional.

Queria ter este filho e ia tê-lo, custasse o que custasse. Através de uma amiga, soube que podia ser ajudada. Esta amiga falou-lhe em ser acolhida numa casa que apoiava grávidas em dificuldade e foi assim que encontrou a Casa de Santa Isabel.

Explicaram-lhe como era a vida nesta casa e pareceu-lhe que, embora com regras e limites que nunca tinham feito parte da sua vida, ia conseguir viver. Para poder ter este bebé era capaz de tudo.

Foi-se integrando com grande facilidade. Era tudo novo e a rotina não lhe pesava tanto como à primeira vista tinha pensado. Sentia-se mais segura. Esperava ansiosamente que o tempo passasse.

Começou a trabalhar, o que tornou bastante difícil conciliar o cuidar da filha com a realização das tarefas da casa, dos horários de trabalho, a falta de hábito em fazer alguma coisa que lhe custasse.

Até que chegou um dia que, para ela, era muito importante! Ao cruzar-se com uma das pessoas que trabalhava para a instituição e com quem de vez em quando tinha algumas conversas, disse:”Tia! Eu hoje completo as 10 semanas!” Os seus olhos brilhavam, a sua cara demonstrava a alegria que lhe ia no coração. Já ninguém lhe podia dizer para fazer um aborto, já não havia aquela absurda legalidade que tanto a tinha feito sentir-se presa e encurralada!

A Casa de Santa Isabel ajudou a Teresa a retomar a ligação à sua família e esta foi-se habituando também ao facto de que vinha aí mais um bebé e que seria muito melhor para todos se a Teresa pudesse contar totalmente com o apoio dos Pais.

À medida que o tempo foi passando, foram-se criando as condições todas para a Teresa voltar para casa dos Pais e, assim, o final da gravidez da Teresa foi vivido em família, nascendo uns meses depois um rapaz: o Francisco.

botoeslaterais1

Botao Lateral Historias Reais 1

botoeslaterais2

botoeslaterais4

Loja Solidaria